País pode ter outro ano de recessão em 2021, diz Luís Alberto de Paiva

País pode ter outro ano de recessão em 2021, diz Luís Alberto de Paiva

Economista da Corporate Consulting

PIB pode cair 1,5%, segundo ele 

Avalia que desemprego tende a subir

O presidente da Corporate Consulting, Luís Alberto de Paiva, 58 anos, disse que são grandes as chances de 1 quadro de contração na economia no próximo ano. Para ele, o cenário não é favorável para a aprovação de reformas. O PIB pode cair 1,5% em 2021.

De acordo com ele, haverá maior procura por postos de trabalho nos próximos meses depois da Black Friday, do Natal e dos auxílios do governo. A menor demanda pelo consumo deve elevar pedidos de recuperação judicial nas empresas. Assista à entrevista (35min30seg):

Segundo as projeções mais atuais do mercado financeiro, o país deve ter recessão de 4,55% neste ano e crescimento de 3,40% em 2021. Mas, para o analista, as condições não são favoráveis para a aprovação das reformas necessárias para a recuperação da economia. Disse que há embates entre os poderes Executivo e Judiciário que envolve questões “pessoais“.

Luís Alberto de Paiva é pós-graduado em economia pela FGV (Fundação Getulio Vargas). Trabalhou em empresas como Lloyds Bank, Grupo Accor, Transbrasil e Opportunity. Ele é presidente da Corporate Consulting, uma empresa financeira para investimentos.

Eis os principais trechos da entrevista:

Poder360: Os dados do Caged de criação de 400 mil postos de trabalhos formais em outubro demonstram uma recuperação da economia? E quais são os setores que têm dificuldades de demonstrar reação no 4º trimestre?

Luís Alberto de Paiva: “A economia vem se recuperando, é verdade. Nós já temos 1 nível de atividade econômica agora no mês de novembro semelhante ao que tínhamos no pré-pandemia. O setor de serviços tem sido o mais afetado até agora. A recuperação está inferior ao resto dos setores. A indústria tem liderado”.

Poder360: Pode-se dizer que a recuperação foi em “V” [simbologia gráfica de queda do PIB seguida de alta rápida]?

Luís Alberto de Paiva: “A recuperação é em V, mas toda vez que a gente tem 1 nível de recuperação acelerada, que é a chamada recuperação em V, com níveis inflacionários fortes, a gente acaba prejudicando muito a distribuição de renda. Obviamente, você concentra mais renda em determinados setores em detrimento de outros. A massa salarial perdeu bastante importância nesse ano. Perdemos na ordem de 15% de ganhos na massa salarial que foram compensados por meio de benefícios do governo em 2020, o que possivelmente não será possível acontecer em 2021”.

Poder360: A perda dessa massa salarial será sentida em 2021 se o auxílio emergencial não for prorrogado. Na sua análise, os pagamentos devem ser prorrogados ou isso pode ser 1 risco fiscal?

Luís Alberto de Paiva: “Pode ter 1 risco fiscal grande, porque o governo não tem recursos suficientes para a manutenção desses níveis. O que se percebe, é que, ao longo de 2020, o Brasil encontrou milhões de novos trabalhadores que estavam fora do mercado de trabalho e que entraram para essa base de cálculo. Se o governo for estender esse auxílio na ordem de R$ 300 por pessoa em 2021, nós teríamos 1 efeito de R$ 18 bilhões nas contas públicas. Não existe previsão orçamentária para esse tipo de continuidade neste momento. E, não havendo, obviamente acelera a possibilidade de 1 quadro recessivo em 2021”.

Poder360: Se o governo prorrogar, pode ter 1 efeito reverso, ou seja, contracionista. Em vezes de estimular, podemos ter uma recessão?

Luís Alberto de Paiva: “O Brasil perdeu em 2020 15% da massa salarial. Isso representa retração no consumo na ordem de R$ 15 bilhões. No entanto, o auxílio emergencial incrementou em 15%. Então, o auxílio emergencial neutralizou a redução de massa salarial, níveis de emprego e criou 1 pequeno superavit em 2020. Face a essas medidas, nós tivemos a possibilidade dessa recuperação em V. A economia reagiu rapidamente nos últimos meses compensando os efeitos todos que foram sentidos na fase de pandemia. O fato é que não vemos possibilidade do governo continuar mantendo redução da massa salarial e desemprego ao longo de 2021 por meio de auxílios emergenciais. Não existe nem dotação orçamentária para isso”.

Poder360: Com o fim do auxílio emergencial, como ficará a situação das famílias. Os dados do Caged mostram que o emprego formal está aumentando. Ao mesmo tempo, o IBGE demonstrou uma taxa recorde de desemprego, sem falar no desalento. As famílias devem conseguir se alocar no mercado de trabalho?

Luís Alberto de Paiva: “Ao longo de 2020, o governo liberou diversos mecanismos para que houvesse recuperação rápida da economia. Foi comprometido R$ 400 bilhões entre auxílios emergenciais, fundos e outras medidas. As medidas que tinham por objetivo a contenção do nível de desemprego permitiram reduções salariais e outras alternativas, desde que as empresas não realizassem as demissões durante a fase dos auxílios. O que acontece: estamos chegando no fim de 2020 e isso acaba. Não existe mais auxílio ou obrigatoriedade do governo na manutenção dos empregos. A economia segue uma nova vida. Durante essa fase [de pandemia], as empresas soltaram seus funcionários para que trabalhassem em home office, os negócios foram ajustados e as empresas entendem também que, nessa nova realidade, conseguem trabalhar com menos recursos. O que está sendo exigido, tanto para as pessoas, quanto para as empresas, é que todos consigam fazer o seu máximo com menos necessidades de recursos: financeiros e humanos. Agora temos a Black Friday e depois temos 1 movimento consumista de Natal, mas após este período, quando entrarmos em janeiro e fevereiro, quando as receitas das empresas caem bastante, esse ajuste acaba sendo mais agressivo. O mercado não vai conseguir segurar esses movimentos. Teremos 2 momentos importantes acontecendo simultaneamente. Um deles é o agravamento do caixa por parte das empresas. Vai fazer com que as empresa se declarem inadimplentes, não conseguindo pagar seus compromissos. Pode virar rolagem de dívida, aumento do número de empresas pedindo falência ou pode convergir para empresas pedindo auxílio de recuperação emergencial. Com isso, vai ficar muito difícil para que as companhias brasileiras mantenham o mesmo número de funcionários. Agora, o próprio Guedes e o governo brasileiro tiveram intenção muito rápida no sentido de aprovar o projeto de recuperação judicial que está na mão do presidente para que seja promulgado. São medidas que o próprio governo vem acelerando. Se pegarmos os dados históricos de empresas pedindo falência no Brasil, percebemos que ainda está no nível 10% abaixo de 2019, mas os últimos dias e as últimas semanas têm mostrado uma aceleração muito grande”.

Poder360: o pico de pedidos de falência serão sentidos no 1º trimestre de 2019, quando as empresas vão sentir mais esse feito de aperto?

Luís Alberto de Paiva: “O pior quadro é sempre daquela empresa que se declara impossibilidade de pagar suas dívidas e pede sua autofalência ou os credores pedem sua falência. O mercado acomodou 1 pouco. Os bancos estão mais tolerantes no sentido de entender a situação e compor as negociação de forma mais agradável do que acontecia recentemente. Os próprios fornecedores são mais tolerantes hoje. Esse movimento está mais lento em função das sucessivas crises que tivemos no Brasil. Em determinados momentos, é caro e, alguns pontos, engessa muito [fazer o pedido]. Por exemplo, a recuperação judicial não resolve o problema fiscal das empresas. O ministro [do STF, Luiz] Fux, por força de decreto, tem exigido para que as empresas, quando homologuem o plano de recuperação, estejam em regularidade fiscal. É um contrasenso. O país em crise, com uma das maiores cargas fiscais no mundo, obrigar que uma empresa que está em dificuldades tenha que, em 6 meses, recuperar as empresas, acertar todos os seus passíveis, ajustar o formato de credores, e o governo. O governo está sendo mais tolerante com isso. Está permitindo aproveitamento dos prejuízos fiscais de anos anteriores de uma maneira imediata para parcelamento, está estendendo os prazos e isso colabora bastante neste momento. Há necessidades de ajustes que o governo demonstre alguma tolerância de segurar as contas. Só vai receber esses tributos atrasados se criar uma situação favorável para o pagamento, que o contrário de quebrar empresa. Nesse caso, não tem arrecadação e a economia não se recupera”.

Poder360: A lei de falências foi 1 grande avanço?

Luís Alberto de Paiva: “Eu não diria 1 grande avanço. É 1 pequeno avanço. Vem ainda muito longe do que seria ideal para que as empresas se recuperem. Mas deu avanços importantes, principalmente na questão fiscal”.

Poder360: Entramos aí na discussão de reforma tributária. Na sua avaliação, conseguimos aprovar algum projeto ainda em 2021?

Luís Alberto de Paiva: “A reforma administrativa e a reforma fiscal [tributária] têm tido uma intenção por parte do governo para deixar para 2021. Por mais que a situação brasileira seja ruim, o Brasil consegue passar o próximo ano com bastante aperto e sufoco, mas se aguenta. Já no ano de 2022 é impossível fazer qualquer coisa no Brasil sem que essas reformas fiscais e administrativas sejam feitas. Significa que vai ter que reduzir a máquina administrativa, diminuir a massa empregada dentro do governo no funcionalismo público e isso é inevitável. Todo mundo sabe as repercussões políticas dessas manobras e as dificuldades de aprovação, sem contar que são medidas totalmente impopulares sob o ponto de vista da atual situação política. Mas é inevitável. O governo vai ter que colocar o dedo nesta ferida e vai ter que resolver a reforma fiscal sem aumento de impostos, é uma reforma de ajuste para baixo. E a reforma administrativa, que passa necessariamente por medidas extremamente impopulares. Do contrário, não fecha o orçamento”.

Poder360: Essa proposta do governo de desonerar a folha você vê com bons olhos? Mesmo com a criação de 1 imposto digital, no estilo da CPMF?

Luís Alberto de Paiva: “A questão da desoneração é muito defendida por setores que empregam muita gente, facilities, segurança. O que nós não temos é ferramentas que nos permitam controlar que se a desoneração aplicada para a empresa que não vá segurar os lucros e evitar o desemprego. A empresa deveria estar passando por determinadas regras para evitar desemprego. Não só isso. A empresa pode mandar 10 pessoas que ganham bem ir embora e contratar 10 que ganham menos. Não está reduzindo o nível de emprego, mas está diminuindo a massa salarial que é igualmente prejudicial”.

Poder360: Você disse que é inevitável dar continuidade a agenda de reformas no ano que vem. Na sua visão consegue respeitar o teto em 2020. Como isso pode ser feito?

Luís Alberto de Paiva: “A extensão do auxílio não cabe. Dando R$ 300 para cada pessoa, mensais, já daria 1 impacto de R$ 68 bilhões na economia. Não tem como fazer esse ajuste. O que poderia fazer é uma inclusão com base nos auxílios anteriores que se tinha. A oneração é menor e derrubaria para R$ 20 bilhões. Mesmo assim, não fecha. É difícil fechar essa equação quando tem 1 orçamento do governo que tem 87% comprometido com despesas primárias. Ou o governo se endivida mais e parte para 1 nível maior de desalavancagem ou reduz o contingente”.

Poder360: Para reduzir precisa passar pelo Congresso. Você vê uma postura reformista dos congressistas?

Luís Alberto de Paiva: “Acho muito difícil. Hoje nós temos 1 governo populista. Ao contrário do que se pregou, eu não vejo o governo atual como autoritário. Eu vejo esse governo como 1 dos mais populistas que já teve até hoje. Talvez seja o governo que mais escute o povo, busque soluções e algumas delas chegam a nem fazer sentido, mas sempre com o anseio de manter o nível de popularidade alta. Você tem o Senado e o Congresso 1 nível de pensamento totalmente diferenciado. Tem hoje 1 presidente sem partido e Senado e Congresso totalmente partidários em algum momento para que o governo se desestabilize. Sem dúvida, não digo que a culpa é de 1 lado ou de outro. Mas, convenhamos, é importante que os poderes estabeleçam uma trégua e façam realmente 1 pacto para a solução do Brasil. Se o jogo político começar da forma como está hoje, não vejo alternativas e nem possibilidade que essas reformas passem em nenhuma alçada”.

Poder360: O cenário muda com a eleição do presidente da Câmara e Senado no ano que vem?

Luís Alberto de Paiva: “A gente sempre espera que sim, mas quando a gente começa imaginar uma coisa, a gente vê o noticiário, e vê palavras de ataque de 1 lado e de outro. Me parece que não tem convergido para isso. No meu ponto de vista, acho que falta esta maturidade. Uma parte bastante significativa dos embates têm sido por questões pessoais, que tem tido uma maior importância que as questões sociais. Esse processo vai travando e dificultando toda a possibilidade de ajustes que existam em diversas esferas. O Poder Executivo deveria estar trabalhando com mais afinco. Trabalhando mais e falando menos. Isso já seria um grande avanço para as reformas também. E o Poder Legislativo que deveria ter o papel de Legislar também não deveria estar tentando fazer o papel do Executivo. Essa falta de coordenação é o que mais tem impactado a apresentação e a aprovação de reformas. Com relação ao corpo técnico, principalmente por parte do ministério da Economia, eu vejo decisões totalmente acertadas, não no tempo necessário, mas corretas e duras. Já provamos que passamos por 1 ano de pandemia e rapidamente a gente consegue buscar todo o tempo perdido e recuperar. A economia brasileira é muito forte. Se nós conseguirmos as reformas necessárias eu não tenho dúvida de que a economia por si só se ajuste e tenha capacidade suficiente para resolver os principais problemas dos países”.

Publicado por Poder360